Neste momento, cem mil cérebros se concebem em sonho génios (...)

E a história não marcará, quem sabe?, nem um.*




Parabéns, Porto.

* Da 'Tabacaria', Álvaro de Campos.

Código da Vinci

Está na cara que as vitórias do Chelsea têm uma explicação gnóstica. Roman Abramovich e Di Matteo são, provavelmente, os melhores executores vivos do sorriso de Mona Lisa.


Quase

7 anos depois, o 'quase' de Sá Pinto numa meia-final é mais grato para os sportinguistas do que o 'quase' de 'José Peseiro' numa final. No totalitarismo da sua medida, é o regime de expectativas que define as alturas do vivido.

4

‎4 anos depois volto ao divã da fisioterapia. Nos últimos meses a vida sem jogar à bola estava a ficar inaguentável: fazem-me falta os encostos, as discussões parvas, as imitações dos clássicos, enfim, o gostoso fracasso naquilo tudo.

A testemunha

Arrependemo-nos mais daquilo que fizemos do que daquilo que não tentámos. Bem se percebe, enquanto as acções equívocas são postas em palco, sujeitas a uma memória partilhada, as omissões, essas, na maior parte dos casos, ficam connosco, guardadas enquanto património hesitante, um espectro que não chegou ganhar corpo no mundo real. Dizem que a memória é complacente com o não acontecimento, que aparentemente é mais fácil arquivar um processo em que estamos arrolados como a única testemunha. Esquecem-se dos espectros.