Oscars:: Melhor Filme

The Fighter (David O. Russell)

The Fighter

Oscars:: Escolhas Pessoais (4/4)

Melhor actriz secundária:

Hailee Steinfeld (True Grit)

True Grit

Oscars:: Escolhas Pessoais (3/4)

Melhor Actor secundário:

Christian Bale (The Fighter)

The Fighter

Oscars:: Escolhas Pessoais (2/4)

Melhor actor:

Colin Firth (The King's Speech)

The King's Speech

Oscars:: Escolhas Pessoais (1/4)

Melhor actriz (ex aequo):

Natalie Portman (Black Swan) e Michelle Williams (Blue Valentine)

Blue Valentine

Da minha janela



Janeiro, 2011

Já não passam comboios, mas nem tudo está perdido.

Kadhafi: melhor plano de fuga era impossível

Sobre a hipótese de fuga, Saif al-Islam, o filho herdeiro de Kadhafi respondeu assim:
"Nosso primeiro plano é viver e morrer na Líbia. Nosso plano alternativo é viver e morrer na Líbia."
Não se equivoquem entrevendo coragem ou fina ironia nestas palavras. Os ditadores, moldados pelo exercício do poder autocrático, industriados na monomania do trono, não têm vocação ou talento para forjar alternativas, pelo que, na vida pessoal como na política, o plano b é quando muito uma subtil variação do plano a. Mais que isto é pedir muito. Quando um autocrata propõe reformas para apaziguar descontentamentos populares, já devíamos saber o que vêm aí. Se em nenhum outro lugar, a bondade da revolução está na criatividade que troca a monomania de um eu majestático pela majestade inicial dos começos.

Dois Poemas Ingleses

‎"Ofereço-te ruas estreitas, poentes desesperados, a lua dos subúrbios miseráveis. (...) estou a tentar subornar-te com a incerteza, com o perigo, com a derrota." Borges

Do absurdo

"Lara Logan, jornalista do “60 Minutos”, foi sexualmente agredida no Egipto."
 O facto de seguir Lara Logan há anos ajuda a pessoalizar, inflamando, a raiva sentida pelo que tantas vezes acontece às mulheres por esse mundo fora. O meu único desejo é que Lara Logan resista, que volte à sua profissão e à vida pública. E que a indignação pela violência patriarcal assim expressa alhures, em termos inomináveis, nos ajude a denunciar, também,  a trivial perfídia que perpassa nas nossas vizinhanças.

Ler

Kasparov sobre Bobby Fischer.


"No matter how sincere Fischer may have been about his protests—playing conditions, opponent’s manners, and always money—they were as much a part of his repertoire as the Sicilian Defense."

Podem confiar


Jornada 18 - A sombra de uma dúvida

Publicado na Liga Aleixo

A relação do Valter com picanha chegou a um beco sem saída: a faixa central onde o Hulk foi posto a jogar.



Pessoas que eu considerava amigas tentam destruir-me as relações com aqueles que eu mais estimo. Após a derrota para a taça, nem a equipa tinha entrado no túnel, e já me sopravam nos ouvidos com todo o tipo de injúrias a Villas-Boas. “Repara que ele é novo e giro e a qualquer momento foge com a tua namorada para as ilhas virgens, tem lá conhecimentos e sabe onde se servem os melhores daikiris”. Houve ainda quem tentasse emprenhar-me com argumentos menores: “não achas incrível que ele meta o Hulk no meio?”. “E o Sereno? Não achas que o Fucile dava mais pica àquela ala?”. “O facto de Valter estar gordo não devia ser um impeditivo, olha para ti és um balofo e nem por isso deixamos de jogar contigo.”

No fim da vitória tristonha com o Rio Ave, voltaram à carga. É claro que nessa altura já estava preparado para rebater os argumentos mais insidiosos, lembrei-me que não tenho namorada desde o tempo do Artur Jorge, lembrei-me que a genica do Fucile nesta época costuma redundar em penalties para as equipas adversárias, lembrei-me que não é inteiramente verdade que a malta jogue comigo porque quer (só eu é que tenho o número do homem que abre o pavilhão, por isso não têm outro remédio).

Mas, eu sou assim uma pessoa: publicamente defendo aqueles que amo e depois, no sossego da fila do Brasil ao Peso, deixo cair em mim a sombra de uma dúvida: “O Hulk no meio?”, “Será que na Figueira fazem bons Daikiris?”, “que calmantes é que ele andou a dar ao Belluschi?”. Na altura de pagar, dou em mim conciliado com os eventos mais recentes, o Iturbe marcou contra o Brasil, ainda temos 11 pontos de vantagem, O Benfica ganhou porque o Maicon e Fernando estariam concentrados na crise do Egipto, e o Rio Ave, bem vistas as coisas, é uma equipa difícil. Recebo sms do homem do pavilhão a avisar que deu à filha o nome da Andreia Villas-Boas Jasmim, homenagem ao povo do Egipto e ao treinador do 5-0. Que vai haver um mês com 5 sextas e que é preciso avisar à malta para pagar mais 3 euros. Que vamos ser campeões.

Etiquetas:


Da Sensatez

Dantes atirava a a carta para o cesto dos papéis. Agora faz "discard" no Gmail. Nesta história de desistência só o remetente é que não muda.














Wild River, 1960.

Versões de um mesmo mito



Arrepiei-me e chorei com a despedida do Liédson: o hábito das partidas não tem cor, não respeita os mais experimentados.

0-2

O resultado de ontem salvou-me de um cenário excruciante: ter que torcer contra a Académica numa final da Taça de Portugal. A sorte moral faz de mim um homem alinhado com a desforra de 1969, a Académica jogava então a contra o Benfica e contra o fascismo.

 


Avulos

Kant, 1798, O Conflito das Faculdades

"A revolução de um povo dotado pode resultar ou fracassar; pode estar prenhe de misérias e atrocidades ao ponto de que um homem sensível, ainda que corajoso o suficiente para a executar uma segunda vez, nunca se resolva a fazer a experiência perante tão alto preço - esta revolução, no entanto, encontra nos corações de todos os espectadores (aqueles que não estão directamente engajados no jogo) uma participação esperançosa próxima do entusiasmo, a genuína expressão daquilo que é carregado de perigo; esta simpatia, portanto, não tem outra causa senão a predisposição moral da raça humana."

Nota: À "predisposição moral da raça humana", conceito certamente arcaico, Kant dava também o nome de Liberdade.