Hulk, um Penalty do Renascimento

Publicado na Liga Aleixo



O penalty que deu a vitória ao Porto em Aveiro deu escusado brado. Na minha opinião, tamanha salganhada de equívocos, e que outro nome dar a Rui Gomes senão Equívoco Logo Existe, só pode acontecer porque a alma contemporânea se encontra alheada da contemplação dos clássicos. Um autor publica um livro e em vez de se tentar encostar às verdades universais que amanhou numas quantas tiradas de génio, logo se precipita em fazer um contrato com o editor a fim de uma sequela que lhe possa render mais mulherio e, em podendo, dinheiro e gajos.

Há jogadores que pensam o futebol jogado com tais requintes de materialismo que não param para apreciar uma finta. Tomemos como exemplo o túnel, epítome do gesto técnico que se basta. Quando fazemos um túnel ao adversário os níveis de altivez estética estão alcançados ainda que fôssemos a jogar em contra-mão na direcção da nossa própria baliza. A ineptidão dos realizadores de futebol para gravar os pequenos momentos de fantasia, e com eles de toda máquina dos resumos com Nuno Luz à cabeça, implica que só fiquem registados para a posterioridade as estéticas do golo. Toda a gente apupa o jogador que se dá ao desfrute de ficar a contemplar a própria finta, uns milissegundos que seja, apenas porque essa contemplação o poderá afastar da compulsão hodierna pelo golo (aquilo que noutro lugar, umas linhas acima, na verdade, gostaria de ter chamado, a hegemonia candente da estética do golo).

A passagem de Ronaldo de extremo fantasista a goleador, por exemplo, cavou um fosso para Messi nas cogitações sobre o exercício da arte. Por outro lado, a assombrosa capacidade de Ronaldo para afunilar as suas virtudes em favor da obtenção do golo (desde 2007-2008) tem-lhe garantido um lugar na luta pelo sublime, lugar que não merece enquanto virtuoso, mas que merece enquanto ser capaz de abdicar - abdica de momentos técnicos em favor de comparência semanal no resumo como o golinho da praxe, no fundo, largou a finta para se especializar no remate. Naquele lance ocorrido em Aveiro, Hulk, que anda pouco maçado por aparecer nos resumos só a fazer golos, quis gozar no ar uns instantes antes de retomar o contacto com a bola.

Ali estava ele no ar a contemplar a perdição de André Marques, quando é ceifado pelo pé de coice: penalty. Repetida a imagem mil vezes sabemos que é penalty, mas percebemos que algo está errado no momento que Hulk fica suspenso no ar. Nenhuma simulação, mas se me permitem, eu explico a disjunção cognitiva: não estamos habituados a ver um homem gozar uma finta enquanto objecto final do prazer, e ninguém percebe que isso leve um tempo. Foram-se os clássicos, e ninguém está cá para contemplações. Conta comigo, Hulk.

Etiquetas:


Recato

O recato não perdeu prestígio social. A questão é que já ninguém repara.

Tristes Trópicos

A minha chegada tardia a "Florence and the Machine" liga-se bem ao encanto Levi-Straussiano de um Colombo tardio. Queria dizer que gosto muito desta América profusamente explorada.


Urinol


Nunca me tinha deparado com tamanho desconcerto: um urinol com tampa. Igual a café descafeinado, cerveja sem álcool: uma variação que aniquila a original razão de ser.

rascunho guardado às 3:19

Qual pito? Bonito era eu adolescente curvado sobre o candeeiro a intentar um romance com a caneta obrigada a sulcos curva contra-curva naqueles papéis que a minha mãe trazia do serviço. Bonito era eu ficar com o anelar amolgado (sim, pego a caneta como nenhum outro trôpego) por aquelas BIC de que me vingava quando roía as tampas até sangrar a gengiva. Quando não calhava os lábios borrados de tinta por fazer pastilha da carga. E trincar o plástico já agora, até se partir. Bonito era eu querer dedicar poemas e não ter quem me pudesse desprezar com a verosimilhança de ensejo falhado, tão falhado era o ensejo de tentar. Bonito é também o cansaço, o tornear os poemas para não ter como ser dedicado, não ter como se iniciar artes de quem tudo sofre e suporta, falaciosas sem querer e mesmo querendo, já se sabe, tão acabado é o apelo da modorra, como resolução antecipada, como atalho narrativo, como restolho do que quis, como restolho do que não sabe merecer, como restolho de gente em modo de querer muito. Vejam lá para o que eu estava guardado.

Avulsos


"As mulheres sabem mais acerca de palavras do que os homens alguma vez o saberão. E elas sabem o quão pouco elas podem possivelmente significar." William Faulkner, A Recompensa do Soldado

"- Sim, o Verão está quase a chegar. Engraçado, não é? Fico sempre um pouco surpreendido ao descobrir que as coisas continuam na mesma, independentemente de nós. Acho que a velha natureza faz um trabalho demasiado bom para alguma vez se surpreender connosco, quanto mais preocupar-se se não somos exactamente os tipos que pensámos que devíamos ser." 

Ode à automotora da Lousã


Sem o teu torpor, as minhas sestas nunca mais foram a mesma coisa.

2010

O meu 2010 no Facebook:


Gervais fresquinho


Digamos que já me esqueci da letra de tanto trautear contra o que soletro.

Paquete de Oliveira: o bandarilheiro de serviço

"As touradas, uma das mais emblemáticas tradições espanholas, vão deixar de se ter transmitidas pela televisão pública nacional. A Radiotelevision Espanola (RTVE) justifica a medida com o risco de exposição das crianças à violência contra animais. (...) O novo livro de estilo da estação estatal passa a consagrar as touradas como um acto de violência contra os animais e escuda-se nesta revisão das normas para justificar a sua decisão. " Público

"A tourada, é um espectáculo que acontece no espaço público e como tal, é susceptível de ser transmitido via televisão e via RTP". Paquete de Oliveira, Provedor do Telespectador, A Voz do Cidadão, 1 de Outubro 2006

O melhor lado

Com uma contusão no ombro não conduzo nem faço a barba e, depois de tanto tempo sobre ti, tenho um lado para onde durmo melhor.

Por esta ordem: Newman, Brando, Dean, Clift, Beatty, Lancaster

Depois de 487 (!) votos apurados, eis o resultado  final:

1- Paul Newman (42%):


2- Marlon Brando (24%):


3- James Dean (10%)


4- Montgomery Clift 9%


5- Warren Beatty (7%):


6- Burt Lancaster (4%)

7- Outro

Votação dada como final a 5 de Janeiro:





Avulsos

"Segundo um mito urbano, na noite da passagem do ano as pessoas desatam a beijar estranhos na boca. Isso nunca me aconteceu. Curiosamente, o que sucedeu foi o contrário: percebi que as pessoas que beijei na boca me eram, afinal, completamente estranhas." Ouriquense

Viagem a Itália

Vi  Viagem em Itália (1954) e Cartas para Julieta (2010) na mesma noite. Uma prova de como a busca de simetrias imperfeitas nos pode encostar ao absurdo.

Etiquetas: