O Título de Villas-Boas



Publicado na Liga Aleixo

Apesar de todos os indícios, posso assegurar que o Estádio da Luz não foi construído sob o mesmo conceito arquitectónico da Avenida dos Aliados. Aliás, há diferenças óbvias entre a concepção de um arruamento de 250 metros e a edificação de um parque de festas para entretém periódico dos jogadores do FCP. Acompanhei os festejos a meio caminho, à saída da portagem de Taveiro hesitei entre seguir A1 para Norte ou para Sul. Acabei por ficar na berma a ouvir as conferências de imprensa enquanto me decidia, entretanto fui apitando em jeito de festa até acordar com aquele silêncio da "solfagem" que se segue è morte da bateria. Antes disso, antes mesmo de ser vandalizado por uma multa por estacionamento indevido e pelos honorários o reboque, isto às 9 da manhã, ouvi as palavras que melhor captam a insigne ode ao título ontem conquistado.

Villas-Boas (V-B), assumindo-se como treinador adepto, o último de uma linhagem que remonta a António Oliveira, lembrava de como já tinha sido feliz no Estádio sa Luz. Com 20 anos V-B estava em Lisboa num estágio que aparentemente consistiria em acompanhar os treinos do Sporting. Como o fastio das noites da Pensão Alegria o torturasse, lá se decidiu a ir sozinho a ver um jogo da Supertaça ao velho estádio da luz. Não pôde festejar os 5 golos do Porto porque lá se lembrou que era muito novo para ser selvaticamente linchado (há experiências que devem ser saboreadas com outra maturidade). A história de Villas-Boas e do seu encontro primordial com Bobby Robson repõe a mitologia do amor à camisola entre os profissionais da bola (refiro-me aos agentes desportivos que não pelo conceito de Ricardo Costa). Só por isso, não poderia agradecer o suficiente a Villas-Boas por este título. Com este campeonato, Villas-Boas reuniu o velho futebol da paixão de bairro com o labor cosmopolita de quem, das Ilhas Virgens à Mata-Real, sabe mais de bola que muitos anciãos dados à bazófia.

Etiquetas:


Comments:
É por tudo isto que escreveu que vale a pena ser portista,eu que vivi 34 anos em Almada,e que fui ver alguns jogos do Porto à luz e nunca pude festejar as vitórias do meu Porto,felizmente agora já posso dar azo à minha alegria porque vivo numa parte do país livre,Santo Tirso.Viva o Porto abaixo os campeões dos tuneis e da escuridão!
 
V-B arquivou(-te), em definitivo, o ficheiro "Jesualdo".
Já o J.J. recuperou esse ficheiro "Jesualdo".

Suspiro. Adiante.
Digo-te, eu continuo a gostar muito do Zidane :-)
 

Enviar um comentário

Comentários



<< Home