2011

Entre os amigos César é conhecido como o Fábio Paim do amor.

2011

César hesita entre mudar de vida e mudar de bebida.

Avulsos

"Que terrível posição para chorar, pensou a Sr.ª Powers, colocando os braços à volta de Emmy."  
Faulkner, A Recompensa do Soldado [Soldier's Pay]

Fábio Paim

Cristiano Ronaldo: "Se acham que eu sou bom, esperem até ver o Fábio Paim".





Aos 22 anos, Fábio Paim joga no Torreense.

Uma excelente reportagem da  Sporttv.

A vossa opinião conta





Votai. No entanto, convém avisar que já perdi amizades por diferenças menos sérias.

E assim

A repetitiva monotonia daquilo que pode ser dito a partir da experiência ora nos move para o arquivo, para a ficção, para o silêncio ou para a sofreguidão instrumental de novas vidas. A tardia opção pela serenidade que permite partilhar o arquivo, a ficção ou o silêncio logo instala a ansiosa sofreguidão de não perder a vida que temos. E assim ciclicamente.


Wild River, 1960

Avulsos

Quando dizes "eu amo-te" apaixonas-te pela linguagem, que é já uma forma de pôr fim à relação e de ser infiel. Jean Baudrillard.

Poesia para totós (como eu)

Quando me perguntam por ti eu não respondo por mim.

Brunette

Ao contrário do que a filiação de nomes possa sugerir, a minha preferência por Brunettes nem sempre é correspondida.

"Haven’t you ever ridden on that street-car?"

Para os ouvidos menos habituados ao português do Brasil, a tradução de "A Steetcar Named Desire" para aquele país - "Um Bonde Chamado Desejo"  - contém uma palavra (bonde) de ressonâncias excessivamente lúdicas para a graça poética que Tennessee Williams imprimiu no título original.  Podemos dizer, contudo,que se salvam  as virtudes metafóricas: é como se o transporte escarnecesse a dignidade apeada pelo caminho. "Um Bonde Chamado Desejo" traduz desejo por afectação com insensível contundência. Para os nossos ouvidos, claro está.
"It brought me here"

A voz

Patricia Neal [1926 – 2010]


"Boa noite e boa sorte"

Publicado na Liga Aleixo


As pessoas no restaurante mexicano divertiram-se em explanações como quem visse um jogo de futebol. Não perceberam, porventura, o obsceno voyerismo montado pela Sporttv: a transmissão televisiva das deambulações existencialistas de Maicon.

O jogo entre e o Sporting e o Porto deverá partir de um de dois pressupostos: a) Maicon conhece os romancistas russos e vive as angústias de algumas das suas personagens através de um processo inconsciente de imitação; 2) os romancistas russos acoitaram com tal perspicácia os baixios e euforias da alma humana que se tornou possível assistirmos, em 6 de Dezembro de 2010, Lisboa, Estádio José Alvalade, à recapitulação daquilo que se passou com Rodion Romanovich Raskolnikov em São Petersburgo há bem mais de um século. Sem querer negligenciar o domínio da nova geração de centrais brasileiros da obra de Dovstoievski, estou francamente inclinado para a segunda hipótese.

Quando Valdés surge isolado perante Helton há um momento em que Maicon tem a opção de tentar tirar a bola em esforço ou de tentar dar uma panada no Valdés sem esforço nenhum. Talvez porque tivesse querido manter-se dentro do império da lei, Maicon limitou-se a dar um toque na bola que permitiu enquadrar o chileno perante a baliza melhor do que o próprio seria – e é – capaz de fazer. Sofrido o golo, ficou em Maicon a consciência de ter errado colossalmente sofrendo apenas o castigo de lhe pesar na consciência o golo que poderia valer a derrota ao Porto. Quando Falcão empatou Maicon sentiu enfim que estava em condições de desfazer a clássica disjunção moral: “pesa-me na consciência aquilo que a lei dos homens jamais conseguirá punir, e o peso na consciência não é senão o sentimento de uma insuportável impunidade”. Como o destino não lhe desse oportunidade, Liedson foi atraído ao engodo da pressão alta, ganhou a bola e Maicon pôde enfim matar em praça pública a velhinha que Raskolnikov guardou para a intimidade. Maicon saberá que o crime público tem a sanção pública suficiente para libertar as intimidades da uma flagelação que seria, assim, a todos os níveis, uma redundância disparatada. Virado que foi o Liedson, conseguida que foi a expulsão, Maicon pôde ir tomar banho com a noção de que a perda de titularidade para o Otamendi seria paga mais do que suficiente.

Se Maicon voltar a ser um central com futuro é porque cumpriu o seu tempo. Terá a cabeça limpa da espisteme da culpa e encontrará um ambiente favorável à redenção. Há que jogar com as ironias dos paradigmas culturais que pisamos: de Valdés para Liedson Maicon errou melhor porque socializou o erro de uma forma mais franca. Um central que dorme descansado a expensas da sua reputação só nos pode dar garantias de futuro.

Etiquetas: