Os dois modos da tragédia

"Terry Eagleton chamou recentemente a nossa atenção para a existência de dois modos opostos da tragédia: o grande Evento espectacular, a brutal irrupção de um outro mundo e a desoladora persistência de uma condição desesperada, de uma existência infeliz que prossegue indefinidamente, de uma vida vivida como uma longa urgência. É a diferença que encontramos entre as grandes catástrofes do mundo desenvolvido, como o 11 de Setembro e, por exemplo, a desoladora catástrofe permanente dos palestinianos da Cisjordânia. O primeiro modo da tragédia, o de uma figura que se destaca num pano de fundo «normal», é característica do mundo desenvolvido, ao passo que, em boa parte do Terceiro Mundo, a catástrofe designa o presente pano de fundo inamovível."  Slavoj Žižek, A Marioneta e o Anão, Relógio D'Água.
O terramoto do Haiti dissolve esta distinção cumulando os dois modos da tragédia. O Haiti mereceu a nossa atenção porque a longa urgência se cruzou com um grande evento, mas em breve o mediatismo do grande evento sairá de cena. O que segue é a vaga memória de uma mortandade escusada. Há um ano a Faixa de Gaza foi atacada, na altura os massacres e a utilização do fósforo branco causaram grande comoção internacional. Seguiu-se a costumeira reposição de uma longa urgência;  hoje temos a vaga memória de uma mortandade escusada. O esquecimento, pois claro, é o que o melhor une os dois modos da tragédia.

Comments:
Sim, é verdade. E ninguém se lembra de assinalar essas datas a cada ano que passa, contrariamente ao que sucede com o 11 de Setembro nova-iorquino ou o 11 de Março madrileno. Não estou a criticar quem o faz - também eu o fiz; apenas constato.
 
Então aqui vão os nomes dos programadores escolhidos para a Capital Europeia da Cultura 2012, em primeira mão... Rui Massena, José Bastos, Rui Horta, Paulo Brandão, Dario Oliveira, Carlos Martins, João Lopes, João Reis, só não sei os outros 3...
 

Enviar um comentário

Comentários



<< Home