Dadas as circunstâncias: política de buraco de fechadura


Não é achado de maior reconhecer que José Sócrates beneficia da fortuna histórica de suceder ao governo liderado por Santana Lopes. Ainda assim, creio que que este "dado genealógico" não tem sido suficientemente valorizado quando tentamos perceber, por exemplo, porque é que sucessivas evidências de embriaguez autoritária jamais resultam numa indignação generalizada da opinião pública. Veja-se a cavalgante perda de sensibilidade em relação ao que seja o respeito pela liberdade e pelo pluralismo de opinião enquanto bastião da democracia. Não fosse assim e a demissão de José Sócrates em resultado da sua "relação tempestuosa" com os media seria, naturalmente, a questão do dia. Não é.

É claro que nem tudo deve à bitola legada por Santana Lopes. Sócrates beneficia também dos seus contemporâneos mais relevantes: o descalabro do principal partido da oposição, por um lado, e, por outro, um jornalismo que nunca conseguiu cumprir o corajoso papel de denúncia sem levantar sérias questões de deontologia ou sem dar ar de senda persecutória: Jornal de Sexta, linha editorial de José Manuel Fernandes, affair Mário Crespo, escutas no Sol, etc.

Ainda assim, o facto é que em pouco tempo Santana Lopes conseguiu juntar à incompetência governativa - enquanto tecnocrata, gestor e líder de governo, já não falo como decisor político - uma manifesta tentação autoritária bem sublinhada pelo caso da saída de Marcelo da TVI. Em contraste com Santana Lopes, Sócrates mostra uma óbvia competência governativa - enquanto tecnocrata, gestor e líder de governo -, tem os seus principais adversários públicos fundados em linhas deontológicas problemáticas, tem o principal partido da oposição convertido em anedota e, com tudo isto, a opinião pública portuguesa parece mais que disposta a perdoar-lhe os pecadilhos autoritários.

Nesta perda de sensibilidade jaz a semente de uma berlusconização em curso: na lealdade ao menor dos males, conforme historicamente definido por Santana Lopes, nenhuma forma de autocracia germina sem a disponibilidade prévia dos governados. Ou seja, a presente complacência com os sucessivos sinais exteriores de autoritarismo representa uma perda de sensibilidade democrática, mais: é um memorando do modo como os princípios democráticos dos governados tantas vezes têm capitulado perante as circunstâncias.

Publicado também no Arrastão.

Comments:
Dia 6, sábado, senti muito a tua falta. Podias aproveitar para dar a cara e dizer "o que é preciso".
Se te falta a coragem, a verbe ou qualquer outra coisa, paciência!
Eu tenho paciência até ao fim...
(e, esse, não está longe - NUNCA ESPERES QUE SEJA ETERNO... APESAR DE TANTO AMOR - quando tiver de ser, SERÁ!)
 
Quem investiga o casino estoril e o trafulha do administrador mario assis ferreira, operação furacão feita ao casino, os despedimentos dos 130 trabalhadores a colecção de estatuas de santº antonio os bares e discoteca do casino gerido pela familia .
 
Porrium

Sorte ter aparecido depois de Santana?
Porrium

Este sócrates é de longe o pior presidente do Conselhos post 25A.

O mais palavroso, incompetente e mentiroso de todos desde 1911.

Mas se até o pior dos facíonoras tem quem o defenda porque é que este socretino não haveria de ter.

Pena que Sam Paio já esteja afastado destas lides porque era o único com tomates para o pôr no olho da rua
 

Enviar um comentário

Comentários



<< Home