Catenaccio

A desatenção civil (civil inattention) torna possível a vida numa realidade urbana, dizia-nos Erving Goffman. Como perceberá facilmente  quem deambule em contexto urbano, a desatenção permite uma  demarcação entre o estranho e o íntimo, demarcação essa que acaba por constituir uma sábia defesa contra as multidões que povoam  as ruas. Mas a desatenção que define o estranho por omissão também pode extrapolar funções convertendo-se num excelente mecanismo reflexo contra todas as  formas da intimidade. Não é excessivo afirmar que a dita revolução interior se refere, na maior parte dos casos, à migração da  desatenção civil  para o  leito povoado por uma multidão de 2.

Comments:
Se bem que compreendi (ainda estou com os olhos semicerrados ...), acho que se compreende que, por vezes, uma multidão de 2 seja superior a uma de 100.000 ...
 
e há um 'que' a mais ...
 
Dakota, não percebi se os 100 mil seriam uma referência aos mortos estimados no Haiti, em todo o caso o post é anterior ao terramoto.
 
Não, de todo. Referia-me - como o Bruno - (e, insisto, se bem compreedi) aos 'miles' do concreto das cidades.
 
*compreendi (e detesto erros mesmo que gralhas ...)
 
Sim, uma multidão de 2 por vezes tem mais "peso" que as hordas das ruas - sendo que há pessoas para as quais o 2 é sempre o maior e mais insuportável dos números
 

Enviar um comentário

Comentários



<< Home