Esmiucemos



Ontem no Esmiuçar os Sufrágios Paulo Portas afirmava que para ele cada um faz como quer: quem quiser casa-se, quem quiser viver em união de facto vive, quem quiser namorar namora, quem quiser ficar sozinho fica. Saúda-se tamanho gesto de abertura às liberdades individuais. Pena tratar-se de um mero logro para parecer mais cool. Ou, se preferirem, é pena ser mentira. Paulo Portas, tal como toda a bancada do CDS, votou passado Outubro contra o casamento de pessoas do mesmo sexo. Mais, o programa eleitoral do CDS para a próxima legislatura é inequívoco na "Defesa da estabilidade da actual definição de casamento". Ou seja, "casa quem nós quisermos".



<< Home