Enquanto o aquecimento gobal não chega

Desconheço se algo tem mudado na edificação mais recente, mas não interessa: em termos de isolamento térmico a construção em Portugal é uma anedota. A casa donde vos escrevo é disso um exemplo. O problema de não vivermos num país com sérios pergaminhos em termos de temperaturas negativas é que, por falta de medidas preventivas avisadas (síndrome dos três porquinhos), apanhamos mil vezes mais frio dentro de casa do que aquilo que qualquer norueguês sensato imaginaria ser possível. A compensação é óbvia, temos que pôr o aquecimento descentralizado a cumprir o papel que a optimização térmica dos materiais de construção devia cumprir (assim dito, até parece que percebo do assunto).
Incomoda o protagonismo que o aquecedor a óleo assume por estes dias na minha vida (já não me chegavam os óculos como prótese?). Perturba pensar que as empresas de construção nativas possam estar tão militantemente sintonizadas com o futuro segundo Al Gore.



<< Home