M18

Ouvido há dias, junto à zona de frio do Pingo Doce, numa conversa entre dois cavalheiros que andariam pelos vinte e poucos:
"Ó pá, só te digo: ela tem uma cona escultural".

Como disse? Estou relativamente familiarizado com as representações da vagina na pintura e na fotografia. Já na escultura, confesso, escapa-me um património que cubra evocações cintilantes dessa temática. Desconheço portanto se a metáfora teria um sólido correlato artístico onde se fundar ou se, como creio, tropecei em denodadas liberdades poéticas.

P.S.
Por demais querida, a shyznogud auxilia-me numa singular demanda por "conas esculturais", literalmente. Este exemplar é de facto bem achado:



<< Home