Quantas equipas tem um homem que descer para que lhe chamemos um treinador?

O paradigma segundo o qual os portugueses sem bigode representam fenotipicamente uma geração de bons treinadores devia estar mais informado pelo devir de Artur Jorge -- uma vez mutilado o vasto buço. Equívocos como Luís Campos ou José Couceiro alguma vez vão ter que ser confrontados com outra variável que não o aparo da lanugem.



<< Home