Gaza

Tudo o que temos são variações de uma desgraça há muito muralhada. Naturalmente os profetas enamoram-se da sua assombrosa pontaria. Que lhes sobrem as noites de certeza porque poucos no extremo desespero entranhado de ódio ancestral se fizeram moderados e aos sábios vedores do fundamentalismo, a esses, nem extremo que lhes justifique a esperada miséria senão o ódio semeado nas finas estantes da cidade ou o deleite na fácil arte da presciência palestina. "Gaza, eu não vos disse?". Por certo.
[ler: Robert Fisk: Welcome to 'Palestine']

REUTERS/Mohammed Salem



<< Home