Marie Antoinette


Chego tarde ao filme e à substância de uma ida polémica entre o Paulo varela Gomes e o Luís Miguel Oliveira. Pouco se me oferece a dizer: um filme chato com algumas composições imagéticas interessantes (as sonoras, ligadas ao gosto da realizadora, não fazem o "meu tempo") numa investida em que a reconstrução histórica assume as suas liberdades com uma boa dose de auto-ironia. Nada de novo. Valha-nos que o filme é suficientemente despretensioso para cumprir a sua agenda modesta .



<< Home