1923-2006


Mário Cesariny

Solene é a poesia do rato, a morte uma paródia meta-narrativa.
A minha humilde homenagem ao que fica e ao que se definitivamente se vai.



<< Home