O cortejo dos fins


Ingrid Bergman, Stromboli (1950)
(...) escarniçar-se contra a sua própria virtude e enamorar-se da sua própria dissolução e cortejar o seu fim. Borges
Sim, nesse bizarro sentido terei algo de irresistivemente sedutor.



<< Home