O tal beijo

E francamente desonesta e, atrevo a dizer, desumana, a atitude daqueles que, entronizando messias Miguel Sousa Tavares, alardeiam o beijo de duas adolescentes para maldizer aquilo que entendem ser o exibicionismo gay. Estou muito longe de Portugal, facto, mas os elementos informativos que retratam o caso, assim como o proprio enquadramento, tornam obvio se tratou de um beijo roudado de duas raparigas cientes da discriminacao social e institucional a advir da revelacao do seu segredo. Posto isto cabe dizer mais. O tao perturbante exibicionismo gay faz parte de uma cultura libertaria de pessoas conscias do preco a pagar por ousarem revelar o nome dos seus amores. E por favor, nao venham com a hipocrisia das coisas que se guardam para a intimidade, porque, como bem o atestam celeberrimos icones culturais a possibilidade de celebracao do amor é constitutiva daquelo que e o amor é. A apresentacao publica, a performance e a indentidade traficam com o sentimento.

Denunciando suprema desonestidade argumentativa, importa apartar o beijo de Gaia das representacoes expressivas de uma cultura minoritaria (onde o " excesso" se resume ao onus de transgressao a que todo o gesto de afecto homo fica obrigado). Mas importa ainda perguntar: Sim. E se elas estivessem mesmo a celebrar o seu amor, digamos que de um modo ostensivo? so what?!




<< Home