A maternidade des-erotiza?

Laetitia

É interessante pensar o que é que um filho faz à construção da mulher enquanto ser desejável.

No homem, pela inexistência de uma metamorfose física, pela menor força do vínculo com que vivemos (salvo seja) a paternidade, e pela menor valorização de uma lógica jovem na atractividade, ter um filho é menos relevante na alteração do potencial de desajabilidade - que também é socialmente elaborado. Não são raras as mães a quem a questão da possível des-erotização adstrita à maternidade se coloca nalgum momento.











<< Home