Aborto e jogatana política

Atónito, leio no Público: "O primeiro-ministro, Durão Barroso, apoia a descriminalização do aborto, defendendo, assim, os argumentos apresentados pela JSD. Porém, o chefe de Governo não pretende assumir esta posição durante a actual legislatura, justificando a opção com os compromissos eleitorais que assumiu de não efectuar qualquer alteração à lei ou um referendo sobre a matéria." Independentemente do tema em causa isto seria sempre uma expressão bizarra do ponto a que chegou a nossa política.
Quando me perguntam a minha posição em relação ao aborto começo sempre por dizer que sou contra. Só então acrescento que sou favorável à descriminalização. Por isso assinei a petição para um referendo: "Concorda que deixe de constituir crime o aborto realizado nas primeiras dez
semanas de gravidez, com o consentimento da mulher, em estabelecimento legal
de saúde?" Mas não julguem que vou à bola com os argumentos de que "a barriga é minha", nem com as enfermeiras feitas mátires.



<< Home